sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Bookshop Bivar

A semana passada fui "à caça" deste cantinho na Estefânia. Já andava a namorar as publicações no Facebook há algum tempo, e finalmente decidi-me a ir lá. 

É um espaço muito acolhedor, com dois andares, muito bonito, e bem recheadinho de livros, todos em inglês e em segunda mão. Os preços rondam os 3-6€ cada, há livros que estão como novos, outros que não foram tão bem conservados, e a variedade é tanta que nem me atrevi a ver tudo, se não tornava-se ainda mais difícil escolher o que trazer para casa. 

A dona do espaço é muito simpática e muito prestável, e criou uma livraria maravilhosa, com um ambiente envolvente e com muito respeito pelo tempo e espaço que cada pessoa gosta de dedicar à procura de livros.

Abre de terça a sexta, das 14h00 às 19h00, e ao sábado das 11h00 às 17h00.
Estão na Rua de Ponta Delgada 34A, 1000-243 
(Há um aviso que vão estar encerrados dia 1 de Março, apesar de ser terça-feira)

Passem pelo site ou pela página do Facebook e vejam do que falo:
https://www.facebook.com/bookshopbivar/
http://bookshopbivar.com/






Blog Só Mais Uma Página - A dar ainda mais razões aos lisboetas (ou a qualquer pessoa que visite Lisboa) para gastar dinheiro a comprar livros ;)

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Desistir dos Livros

Não, ainda não foi desta que me fartei do mundo dos livros, e duvido que tal coisa algum dia aconteça. O que eu venho mesmo desabafar aqui no blog é a minha aversão a deixar leituras a meio.

Pode parecer ridículo, no meio tantos livros que se adequam mais ao meu gosto eu escolher continuar a "massacrar-me" com livros que me desiludem ou que simplesmente não são para mim, mas não gosto nadinha de deixar livros a meio. Esta maluqueira surgiu há poucos anos (que é como quem diz cerca de 5). Até hoje, só deixei dois livros a meio. E esta semana resolvi recomeçar, e desta vez acabar, um deles. Fiquei de tal maneira satisfeita comigo mesma que não leio nada desde segunda-feira (oops :\ )





Cá está ele! Este livro foi-me oferecido no meu 12º aniversário. Na altura, li até à página 335 e parei. O desgraçadinho esteve quase nove anos na prateleira para depois ser lido em três dias.
Continua a não ser dos meus livros preferidos, mas não é mau. 






O outro livro que não terminei de ler foi Harry Potter e os Talimãs da Morte. Eu ADORO Harry Potter, mas este livro foi-me emprestado por uma amiga e precisava de o devolver passadas 48h. Fiquei a 40 páginas do fim :'(
Mas agora vem aí Harry Potter and the Cursed Child, portanto não poderia haver melhor desculpa para me atirar de cabeça para este mundo mágico e ler os 8 livros de seguida. Parece-vos um bom plano?

Boas leituras

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Resumo das Leituras do Mês - Janeiro (Carolina)



O primeiro mês do ano passou num piscar d'olhos e apesar de não ter sido um mês extraordinariamente produtivo em termos de leitura, fico contente com a quantidade e principalmente qualidade dos livros que li:


  1. O Estranho Caso do Cão Morto / The Curious Incident of the Dog in the Night-Time – Mark Haddon – 5
  2. Fada do Lar / The Undomestic Goddess – Sophie Kinsella (Audiobook e E-book) – 4
  3. Azul é a cor mais quente / Blue is the Warmest Color – Julie Maroh (E-book) – 4
  4. Maybe Someday – Colleen Hoover (Audiobook) – 2
  5. O Longo Inverno / Between Shades of Gray – Ruta Sepetys (E-book)  5



Comecei por ler um livro que me surpreendeu bastante e que aconselho a toda a gente. Não me vou estender muito sobre ele porque já tem opinião no blog!


“My name is a metaphor. It means carrying Christ (…) and it was the name given to St. Christopher because he carried Jesus Christ across a river. This makes you wonder what he was called before he carried Christ across the river. But he wasn't called anything because this is an apocryphal story, which means that it is a lie, too. Mother used to say that it meant Christopher was a nice name because it was a story about being kind and helpful, but I do not want my name to mean a story about being kind and helpful. I want my name to mean me.” 
― Mark Haddon,  The Curious Incident of the Dog in the Night-Time

De seguida optei por um livro mais leve e uma autora muito recomendada por todos, Sophie Kinsella. A Fada do Lar é daqueles livros fofinhos e cómicos com situações que beiram o ridículo, algo que eu pessoalmente adoro! Ouvi o audiobook enquanto fazia algumas tarefas de casa, o que acabou por tornar o livro ainda mais perfeito e as tarefas muito mais divertidas. Não se deixem enganar, apesar da comédia e do romance, este livro transmite-nos também mensagens preciosas.


“Don't beat yourself up for not knowing the answers. You don't always have to know who you are. You don't have to have the big picture, or know where you're heading. Sometimes, it's enough just to know what you're going to do next.”
― Sophie Kinsella, The Undomestic Goddess


Como terceira leitura deste mês tenho uma graphic novel com uma história de amor entre duas raparigas que me comoveu bastante. Acabou por ser muito mais profunda e bonita do que imaginava, acima de tudo retrata a relação entre duas pessoas e a forma como estas acabam por encontrar a sua identidade, enfrentando preconceitos tecidos até pelas pessoas mais próximas.



“Love is something too abstract and indistinguishable. It is dependent we perceived and experienced by us. If we did not exist, it does not exist. And we are so changing ... Then love can only be too. Love ignites, passes away, breaks, breaks us, revives ... we revived. Love may be eternal, but not us, it makes us eternal ... ”― Julie Maroh, Le bleu est une couleur chaude


Seguidamente, ouvi o Maybe Someday em audiobook e este revelou ser o pior livro do mês. Sem conteúdo, repetitivo, previsível, com um triângulo amoroso centrado num homem que não parece amar nenhuma das duas mulheres. Não gostei, mas tentarei dar outra oportunidade à Colleen Hoover.


“We try so hard to hide everything we're really feeling from those who probably need to know our true feelings the most.”
― Colleen Hoover, Maybe Someday


No fim do mês li O Longo Inverno, o livro que conta a história de Lina, uma adolescente de 15 anos que é levada para um campo de trabalhos na Sibéria juntamente com a mãe e o irmão de 10 anos. Nada mais lhes resta a não ser o amor, a esperança e o apoio mútuo, mas será que isso será o suficiente para os manter vivos?
Este livro foi realmente muito interessante, gostei muito do facto de ser baseado em testemunhos verídicos e por expor uma realidade talvez menos conhecida da segunda guerra mundial, a dos países bálticos. Uma leitura absorvente e marcante, sem dúvida!


“We'd been trying to touch the sky from the bottom of the ocean.”
― Ruta Sepetys, Between Shades of Gray

E por este mês foi assim! Quais foram as vossas leituras preferidas de Janeiro? Já leram ou têm curiosidade em ler algum destes livros? 

Beijinhos! :D



quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Wrap Up - Janeiro

Olá!

Como Janeiro já acabou, resolvi passar aqui para vos deixar com a Wrap Up do mês.

No primeiro mês do ano li seis livros (bem tentei um número maior, mas fiquei a 30 páginas de acabar o sétimo). Apesar de não ser uma quantidade nada impressionante de livros lidos, para mim é bastante invulgar ler tanto num mês.



  1. Irmão Grimm, de Craig Russell
  2. Miúda Online 2: On Tour, de Zoe Sugg
  3. A Arte Perdida de Guardar Segredos, de Eva Rice
  4. Crime de Luxo, de Ngaio Marsh
  5. Orgulho e Preconceito, de Jane Austen (eBook, em inglês)
  6. Fala-me de Um Dia Perfeito, de Jennifer Niven (eBook, em inglês)

Apenas dois destes livros envolvem os meus temas preferidos (que com o tempo vão perceber que se tratam de crime, investigação e espionagem). Isto deve-se a uma tentativa enorme de diversificar as minhas leituras, porque depois de um período sem ler os temas acima mencionados, sabe ainda melhor pegar num livro que trate desses assuntos e devorá-lo :p

O que me recomendam para Fevereiro?

Boas leituras




terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Opinião "O Estranho Caso do Cão Morto" de Mark Haddon


 Sinopse:



Referido pelo The Times como «um dos melhores livros de 2003» O Estranho Caso do Cão Morto é muito divertido. Conta a história de Christopher Boone, um miúdo autista, com apenas 15 anos que vive enredado no seu próprio mundo, longe de tudo e de todos. Possui uma memória fotográfica e é um aluno excelente a matemática e a ciências mas detesta o amarelo e o castanho e não suporta que alguém lhe toque. Absorvido pela sua doença, Christopher desperta um dia quando encontra o cão da sua vizinha morto, no meio do jardim, com uma forquilha atravessada. A partir daqui nunca mais será o mesmo pois só descansará quando descobrir quem cometeu tão atroz crime. Uma obra de humor irónico, que irá em breve ser adaptada ao cinema, pois os direitos para filme foram já adquiridos pelos produtores de Harry Potter, contando com Brad Pitt como actor. (Fonte: wook.pt)



Este deve ser dos livros mais únicos que já li! Previamente à sua leitura tinha apenas uma vaga ideia do que tratava, pois havia lido uma sinopse resumida há algum tempo e resolvi pegar nele quando o vi na biblioteca. Ao abri-lo, os seus capítulos chamaram-me a atenção e tive que o levar (deixo que descubram por vocês essa característica diferenciada que faz todo o sentido).

Antes de mais, é importante ressaltar que este é um livro focado no personagem principal, afinal, sendo narrado em primeira pessoa, passamos a interpretar tudo através da sua perspetiva, sendo esta uma das particularidades mais extraordinárias deste livro – sem que nos apercebamos, encontramo-nos dentro da mente de um autista.

As histórias focadas num personagem são sempre arriscadas, pois a partir do momento em que o leitor não sente empatia para com o mesmo, é quase impossível que consiga apreciar o livro, contudo aqui, tal como n’O Apanhador no Campo de Centeio, o autor conseguiu trabalhar esse aspeto de forma genial.  

A narrativa começa com o nosso protagonista a querer desvendar o mistério do assassinato do cão da vizinha, contudo este é apenas um pano de fundo para que muitos outros temas extremamente importantes sejam abordados pelo ponto de vista do Christopher. 


Outra particularidade que achei interessante foi o facto do personagem colocar desenhos, esquemas, gráficos e mapas ao longo das páginas para nos elucidar quanto ao seu pensamento e quanto à forma de lidar com os seus sentimentos, algo que nos permite compreender toda a lógica por detrás das suas decisões e dos seus atos.



Com uma escrita muito envolvente, este é daqueles livros que aconselho (se possível) a ler sem muitas pausas para que se sinta mesmo ao máximo a experiência de estar na pele de um autista.

Ao repensar n’O Estranho Caso do Cão Morto, em todas as sensações que me transmitiu e na forma como me fez refletir, pergunto-me a razão pela qual não lhe dei 5 estrelas quando o pontuei pela primeira vez…Simplesmente não tenho, não há nada que possa apontar como negativo ou desnecessário nesta história, ela cumpre o seu objetivo na perfeição e surpreendeu-me a todos os níveis.



Nota: Sempre admirei imenso o ator que interpreta o papel de Max Braverman, um rapaz com síndrome de Asperger na série Parenthood (logo acima). Acho que a série pinta muito bem a condição e a forma como esta acaba por afetar toda a família, tal como no livro.

É uma obra bastante honesta que retrata a pessoa com autismo de maneira muito digna, desmistificando mitos e preconceitos. Recomendo imenso e aguardo ansiosamente a adaptação cinematográfica!




E vocês, já leram ou ouviram falar deste livro? :) Beijinhoos!