segunda-feira, 21 de março de 2016

Opinião - "Show no Fear", de Perri O'Shaughnessy

Andei a procurar, mas parece-me que os livros destas autoras não foram traduzidos para português. Como tal, a sinopse vai ficar a original (e peço desculpa em avanço a quem se sentir incomodado)




Sinopse: 
Working as a paralegal and attending law school at night, Nina has her hands full fighting for custody of her young son, Bob, and overseeing a medical malpractice lawsuit on behalf of her mother, who is suffering serious health complications from an acupuncture procedure. But when a woman plunges to her death off a bridge near Big Sur and witnesses disappear, Nina suspects there is more to the "accident" than the authorities are saying. With the help of homicide cop Paul van Wagoner, she rushes to uncover the killer in a case that hits painfully close to home.







Opinião:
Este livro foi-me recomendado pelo meu pai, que o leu há uns 7 anos. A sinopse despertou-me curiosidade, e lá fui eu pegar nele.

As irmãs Pamela e Mary O'Shaughnessy (que escrevem em conjunto como Perri) publicaram o primeiro volume da série Nina Reilly em 1995. Este livro, publicado em 2008, é o 12º volume publicado e conta a história de Nina no início da sua carreira. Por algum motivo que ainda me é completamente alheio, desde o início que me foi difícil pousar este menino, apesar de ter vários problemas com ele. 

Nina, de 28 anos, trabalha de dia numa firma de advogados e estuda direito em regime pós-laboral. Quando, numa hora de almoço vai buscar o filho, Bob, à escola, Nina é surpreendida por Richard, um ex-namorado e suposto pai de Bob, que, após 4 anos de ausência, lhe exige um teste de paternidade e quer a custódia conjunta da criança.
No passado, Richard teve atitudes que deixaram Nina muito assustada, pelo que esta teme agora pela sua segurança e pela do filho. Decide então pedir ajuda a Jack, seu amigo, advogado da firma onde trabalha e por quem tem uma tremenda paixoneta, para conseguir ganhar a batalha legal pela custódia de Bob.
Ginny Reilly, mãe de Nina, sofre de uma doença degenerativa e decide procurar iniciar um processo contra um praticante de medicina chinesa. É aconselhada pela filha a falar com Remy Sorensen, a mentora de Nina, advogada ambiciosa e bem-sucedida.

O livro tem de facto bastante a acontecer, mas tudo se desenvolve num ritmo muito lento, o que não é da minha preferência. Outro ponto negativo é que o crime em si só acontece a meio do livro, e pela sinopse eu tinha ficado à espera que chegasse muito mais cedo.

Durante a investigação do crime, havia nomes que surgiam constantemente, e eu só conseguia pensar "ou isto é muito óbvio, ou estou a leste de tudo". E a verdade o meu raciocínio de caracol não chegou ao homicida antes dele estar completamente descoberto. 

No geral, é um leitura muito fácil, com um inglês muito acessível. Também considero que se lê rápido (se não estiverem ocupados até à raiz dos cabelos) e que não é entediante. Contudo, acho que poderia ter mais ação, desenvolver-se mais rápido, e ser menos "romanceado". Gostei, mas tinha expetativas maiores.


P.S. - depois de ver outras opiniões sobre este livro, cheguei à conclusão que, mesmo para leitores alguns ávidos desta série, este volume desapontou um pouco. Vou dar uma nova oportunidade às autoras para ver se me entusiasmo mais.

Já conheciam Perri O'Shaughnessy? 
Beijinhos e boas leituras





Sem comentários:

Enviar um comentário